O maravilhoso header é cortesia da Palmier Encoberto. Quem mais?

quarta-feira, abril 30, 2014

Do verbo "SER"

Gosto de pessoas que são. 
Mesmo daquelas que não sei o nome, nem a morada, mas se vê logo que existem. Há ali matéria, há um fio condutor, há substância. 
Pessoas cujos filhos ficam doentes, têm más notas na escola, dão uma resposta torta, ou dizem uma graça que apetece partilhar. Pessoas que ficam tristes quando alguém morre e  felizes quando alguém nasce, que nos mostram de si, mesmo sem mostrarem quem são. Pessoas que se zangam, que riem, que gozam, que rezam, que mandam tudo à merda.
Pessoas que sem dizer muito nos dizem o que pensam sobre a coadopção, ou sobre o Passos Coelho, ou sobre o festival da canção ou o que vêm na televisão, a amamentação, as palmadas no rabo.
Eu não as sei reconhecer na rua, mas sei que o marido é do Sporting, que pisaram merda de cão, que a filha canta bem ou que não gosta da natação, que a colega do emprego é uma cabra.
E estas vidas, anónimas mas verdadeiras, nisto dos blogues, valem muito, mas muito mais, que as de pessoas que se identificam, com foto e nome, mas não conseguem deixar qualquer vestígio de que realmente são. 

15 comentários:

  1. A quantidade de vezes que pensei nisso! De certa forma é estranho, se nos cruzássemos na rua não saberíamos que "aquela" é a pessoa X que escreve e comunica daquela forma com que tanto nos identificamos. Pelas mesmas razões quando "uma dessas pessoas" a quem não conheço o rosto decide acabar com o blog, ou se está muito tempo sem escrever - está no seu direito, claro- não consigo deixar de me lembrar, de me preocupar e de pensar se estará bem.
    O que somos transparece nos testemunhos que deixamos e alguns são um insulto à inteligência de quem lê. Mas enfim, viva a democratização da escrita, cada um saberá o que procura.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estranho não é? Aqui falamos quase todos os dias, nem que seja numa troca de comentários. Se estivermos na mesma fila do supermercado, não faremos a menor ideia.

      Eliminar
  2. Adorei o post, a maneira como está escrito diz tudo sem dizer. Também me identifico com tudo isso, apesar não ter nenhum blog, gosto de ler variados blogs e sentir essa essência da vida.

    ResponderEliminar
  3. Ia jurar que deixei aqui um comentário a dizer que gosto de ti...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto de ti, pá (pausa para limpar lágrima ao canto do olho). Se fosse como a NM, até era pessoa para te oferecer um belo de um abraço.

      Eliminar
  4. Escreves coisas tão acertadas catéminojas... :DDD (agora vou começar a escrever assim...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, ora...A culpa é vossa, suas coisas málindas (nem aos calcanhares do catéminojas)

      Eliminar
  5. Gosto de pessoas como tu... Que são

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))
      É que temos de ser. Uns para os outros.

      Eliminar
  6. Bora um abraço de grupo??? :DDDDDDDDDD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha lá, isto são horas? Uma pessoa levanta-se cedo para fazer o que não fez ontem (I wonder why...) e já tem notificações?

      Mas sim, a resposta é sim. Mesmo só as gentes ambas as duas já seramos um grupo. (mas primeiro deixa-me só ir ali que se me enrolou a língua toda depois da última frase).

      Eliminar
    2. Então, então, já a fazer grupinhos à parte outra vez?
      Também quero entrar no abraço de grupo, ora essa!

      Eliminar
    3. Grupinhos à parte? Que eu me lembre, fomos todas metidas no mesmo saco. Agora é para o bem e para o mal! Só não queria perturbar o teu sono de beleza...

      Eliminar
    4. Também queeeeeroooooo

      (e ainda dizem que isto são só blogs... Gosto de vocês todas, babes)

      Eliminar

Comenta, não pagas nada e eu fico toda contente