O maravilhoso header é cortesia da Palmier Encoberto. Quem mais?

sábado, abril 04, 2015

Mother issues

Depois de mais uma tentativa de impor a minha presença e de Migalhas por um período superior a vinte e quatro horas, concluo que a única forma de me dar relativamente bem com a minha mãe é não ter contactos nem frequentes nem longos. A distância garante que a nossa amizade parece maior e  traz graça às traquinices e tropelias dos meus filhos.
Vivermos na mesma casa, ainda que apenas por breves dias e em datas festivas, revela de forma demasiado óbvia que ou eu espero demais, ou de facto, ela está disposta a dar de menos.
Talvez o problema seja meu. Espero sempre que a qualquer momento se dê uma espécie de milagre, que o barulho, a agitação, as mudanças de planos de ultima hora, deixem de ser tão dramáticas e incómodas, que deixe de existir aquela espécie de tensão no ar (e nas minhas costas, e no meu sono), que tudo seja alegre e descontraído, mas talvez os meus pais, e a minha mãe em particular, não consigam de todo levar a vida e os dias com descontração e alegria. Talvez a missão deles nesta vida seja zelar para que nada perturbe aquela porra daquela rotina sensaborona em que vivem, que a caminhada se faz de manhã, que os sofás estão a salvo de sapatos, que não há barulho na hora da novela.
A mim, só me resta poupar-me e à minha família a esta espécie de tentativas de brincar aos avós, e rezar para que Deus permita que eu nunca fique assim.



15 comentários:

  1. Respostas
    1. Tão triste, ver que não aproveitam...

      Eliminar
  2. Como a entendo... Mas a culpa, os remorsos, desgastam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sinto culpa. Só uma enorme pena por ver que não se envolvem, que não querem saber, que não se dedicam.

      Eliminar
  3. Somos irmãs? ... Tão triste isso, como eu entendo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também podiam ser minhas irmãs... Eu cá já desisti. Não vale a pena insistir, a vida é tão curta; quero ocupar o meu tempo com quem me faz bem.

      Eliminar
    2. Estou a chegar exactamente a esse ponto. Aceitar que é assim e seguir a minha vida.

      Eliminar
  4. Eu também a entendo muito bem, mas é engraçado, não consigo sentir culpa, remorsos, saudade , nem sequer dó.
    Tanto se me dá que a "coisa" corra para a direita como para a esquerda. E sinto-me bem porque, não perco tempo.
    Um abraço Xaxia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por enquanto tenho um enorme desgosto, mas já perdi a esperança. Só me falta não perder mais tempo.

      Eliminar
  5. É desgastante, e depois termos o cuidado de estar sempre de olho nas crianças, não vão elas fazerem o que não devem (coisas normais na sua própria casa), uma canseira é o que é. A minha mãe é igual, um stress constante e stressa tudo e todos à sua volta. Sempre com a ideia que está "mortinha" que nos passemos a andar. Triste mas verdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico aliviada quando vejo que há muitas pessoas a partilhar este problema. A verdade é que à minha volta, entre amigos e família, vejo avós espectaculares, presentes, sempre mortinhos para estar com os netos.

      Eliminar
  6. Pois é, Xaxia...
    Já se percebeu que a senhora sua mãe, pessoa que a Xaxia já nos fez saber que é dada aos achaques "dos nervos", não se fica pelo primeiro dia da Primavera. Parece que os chiliques dela se vão intensificando época fora.
    Uma pena, é o que é...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, após a menopausa a minha começou a ter alguns "achaques". À semelhança aliás, da mãe dela, minha muito adorada avó, que viveu sempre triste sem saber porquê, e que não contente com aquela espécie de depressão permanente, teve um esgotamento que a atirou para um divã de psiquiatra. Ainda assim, era uma pessoa próxima, carinhosa, meiga, que fazia tudo por nós netos, e depois pelos bisnetos. Que adorava ter a família por perto, ainda que isso fosse bem desgastaste para ela. Por isso não me parece que os achaques de nervos, justifiquem a ausência da minha mãe enquanto avó. Aliás, digo e repito, que os "problemas de nervos" não justificam tudo nem servem de desculpa para o que dá jeito. De qualquer forma a minha mãe acha que está óptima, por isso, nem essa desculpa usa. Só não lhe apetece ter trabalho nem nada a interferir com a rotina dela, ao contrário da própria mãe que organizou toda a vida e todas as rotinas em função da família. Isto são feitios, não doenças.

      Eliminar
  7. Sempre foi assim? Porque tenho uma teoria acerca do envelhecimento em que os traços de caracter se acentuam e as rotinas se tornam quase manias. Os meus pais (já entradotes) apesar de serem activos e de tomarem todos os dias conta dos netos (meus sobrinhos), não são de mudar rotinas (caminhada, hora de jantar, etc.). Quem quiser que se encaixe :-) mas lá está, nunca foram pessoas de grande vida social e isso só se acentuou com a idade...

    ResponderEliminar
  8. Xaxia, compreendo a mágoa e o desgaste, mas o problema será antigo e, acredito, muito mais profundo. Lembro-me de um post seu não tão antigo assim intitulado "A minha mãe está a Prozac".
    O que eu acho é que há uma incapacidade inata em nós em lidar com estas situações. Como se costuma dizer, nunca estamos preparados. Nos avós, a quem desde sempre entendemos por pessoas idosas, aceitamos o envelhecimento com naturalidade, mas nos pais não, há uma negação natural.

    Há coisas muito duras na vida, ver os nossos pais a envelhecer e decair é uma delas, das mais duras. Mas inevitável.

    ResponderEliminar

Comenta, não pagas nada e eu fico toda contente